Memorial

Companheiros de Pensamentos

domingo, 18 de outubro de 2009

Num dia 22 de Outubro...


Quando vi este filme, estava acompanhada de minha mãe. Meu pai tinha ficado em casa, não era um grande amante de ir ao cinema.
É claro que nós duas fartámo-nos de chorar ao ver este filme, talvez pensando se algo assim acontecesse, um dia, connosco. Minha mãe sempre acreditou que um amor pode ser PARA SEMPRE.
Quando meu pai partiu para a Grande Viagem, minha mãe voltou a comentar que, às vezes, sentia a "presença" de meu pai. Foi um casamento de 50 anos, um namoro de 19 meses, sempre com muita cumplicidade, companheirismo, humor e amor.
Quando casei, minha mãe convenceu-se que já podia ir ter com meu pai. Acredito que ela queria muito continuar a "viver" com a sua outra metade...
Mais uma vez, Deus fez-lhe a vontade.
Hoje, muitas vezes, ao recordar o casamento de meus pais, aprendo os segredos (simples) para viver uma relação feliz, apesar das dificuldades e das tristezas que a vida teima em oferecer-nos.
Enfim, meus pais casaram num dia 22 de Outubro, uma cerimônia simples, apenas no Civil mas, como mandei escrever na pedra: Um Amor Para Sempre.
Basta querer, basta acreditar, basta saber cultivar Um Amor Para Sempre a 4 mãos.

8 comentários:

Carla Silva disse...

Nem tudo é um mar de rosas mas, as rosas tb têm espinhos, por alguma razão é...
As pessoas, a meu vêr, são cheias de complexidades, no entanto, exitem complexidades que encaixam demasiadamente bem em outras, e assim sendo descobre-se num passo de mágica a nossa "Alma Gémea" que não tem que ser obrigatóriamente o nosso(a) parçeiro(a).
Encontraste a tua? Parabéns Amiga!
Beijinho!

Rosa Carioca disse...

Parece que sim...

Rosa Carioca disse...

(Depois de pedir o consentimento, resolvi colocar o seguinte comentário que recebi por e-mail da minha grande Amiga Alice. Acredito muito nas tuas palavras, Amiga. Obrigada.)

Ana Paula,

Agora quem chorou fui eu! Li no teu blog o texto
Sabe que tenho essa nostalgia dentro de mim. Sinto falta de algo ou alguém que nem sei quem é.
Esse amor bonito de Da. Guida e Sr. Henrique é para a eternidade. Esteja certa que estão juntos a olhar por ti, juntinhos a confabular, rir, alegrar-se com tuas conquistas e alegrias.
Tenho a certeza que de lá eles podem sentir a saudade que eles deixaram.
Graças a Deus deixaram um belo exemplo a ti e a todos nós.
Beijos
Alice

Sônia Silvino disse...

Rosa Carioca!
Fiquei honrada com a tua visita no meu blog. Ao ler teus textos, percebi que também és apaixonada por animais. Parabéns pelo teu trabalho. Me visite sempre:
http://soniasilvinoamaaniamis.blogspot.com
http://soniasilvinoreflexoes.blogspot.com
http://sendofeliznaterceiraidade.blogspot.com
Mil beijocas! Sônia Silvino
Em tempo:
A Maitê Proença, na minha opinião, é uma péssima atriz. Ignore-a! Bjs.

Rosa Carioca disse...

Vou visitar mesmo, Sonia.

Carlos Albuquerque disse...

Este texto comoveu-me muito!
Que grande amor esse que levou uma filha sensível a escrever na lápide "Um amor para sempre"!.
Bem hajas pelos teus nobres sentimentos.
BJS

Rita Caissotti disse...

A Paula tem o dom de ter nobres sentimentos e de os saber expressar.Com ela ,com os seus pais,com o meu pai aprendi o quanto amar pode ser o que temos de mais importante.Sobretudo o exemplo de dedicação,amor,cúmplicidade que foram os seus pais...e o meu.Um amor para todo o sempre.
...Ainda hoje vejo a tua mãe sorrir...ainda hoje os sinto bem perto de ti...de mim...de nós.Amor assim nunca vi e sinto-me uma previligiada ter partilhado com a tua mãe "pequenas coincidências" de quem lutou para estar junto de quem se ama.Aquela dedicação...aquele amor..afecto e capacidade de partilha dos teus e do meu pai...fez parte de uma geração muito especial...Da qual nós,felizmente tirámos a melhor aprendizagem possível...
Obrigado (e agora apeteceu-me chorar) por me fazeres acreditar um pouco mais que o amor pode vencer tudo...

Rosa Carioca disse...

Claro que vence... e já tens tido prova disso...