Memorial

Companheiros de Pensamentos

segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

Tejo em recuperação

Fico sempre muito feliz com os comentários que são colocados neste meu "cantinho" e queria agradecer, em especial, os deixados no post anterior: "Oh, Tejo!"
Muito obrigada.
O Tejo tem feito repouso absoluto, o que tem contribuído muito para a sua recuperação. O Dr. quer que esse repouso absoluto continue mas está confiante que o meu "maluquito" vai ficar bem.

Obrigada!

domingo, 17 de Agosto de 2014

Oh, Tejo!

Esta é a única parte de que não gosto, no que diz respeito a animais: quando o Veterinário tem que ser requisitado!
O Tejo, que tem 25 kilos e é maluco por natureza, começou a coxear, a ficar muito tempo deitado na sua caminha e a olhar-me de um jeito que "dizia" que algo, menos bom, se passava.
No dia seguinte, não colocava a pata direita, traseira, no chão. Direto para o Veterinário.
Diagnóstico: rompimento dos tendões!
Meu coração apertou-se de uma maneira... Meu marido só não chorou porque... fez um enorme esforço..
O Dr., para além de aplicar-lhe uma injeção, recomendou REPOUSO ABSOLUTO.
O Dr. perguntou como isso podia ter acontecido.
Não sei!
Estou de férias, permanentemente em casa, com eles. Como pode ter acontecido?
O médico quis ver onde morávamos, pois se fosse preciso ir a casa, de urgência, não perderia tempo a procurar.
Quando chegou à nossa morada e viu as escadas de acesso... fez-se luz!
Claro que foi uma descida mais brusca (eu já disse que meu cão é maluco?).
Agora, o importante é conter a "maluquice" e fazer com que tenha o máximo de repouso (para que não seja preciso operar).
Mas o Tejo, para além de maluco, é muito esperto e já está a "poupar-se".
(Só receio que ele sinta uma pequena melhora e queira "amalucar-se".)
É nestas horas que eu queria gostar menos deles mas...

...é impossível não amá-los de todo o meu coração!


quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

Obrigadooooooooooooooo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

O Kibon agradece todas as mensagens de Parabéns que recebeu e manda um "cheiro" a todos os companheiros da dona.

terça-feira, 12 de Agosto de 2014

KIBON - 14 anos

Um Sénior!
Pois é; o meu Kibon completa 14 anos!
Olhando para esse cão “velho, meio surdo, pouca visão, com insuficiência renal, coração menos jovem, pelugem branca”… o que, realmente, eu vejo?
Vejo um cachorro lindo, alegre, meigo, companheiro, com um feitio especial mas com muita personalidade, um “anjo canino”.
Há pouco tempo, alguém me procurou, perguntando-me se conhecia alguém que quisesse uma cachorrinha novinha. Essa pessoa não podia ficar com ela porque o senhorio não permitia, o marido não queria, a filha não se acostumava, etc. Enfim, a cachorrinha seguiu para novos donos.
Qual o meu espanto, ao verificar que, após pouco tempo, essa pessoa tem uma outra cachorrinha, bem mais novinha.
Mas… e o senhorio?... o marido?... a filha?...
Pois é… Um cachorrinho-bebé é muito fofinho, muito engraçadinho!
Mas… acompanhar o crescimento de um cão dá trabalho e é preciso muita, mas muita paciência; sem falar, claro, de muito amor.
Palpita-me que, talvez, daqui a um tempo… a cachorrinha tenha que seguir para outros donos…
Com o Kibon não foi diferente. Deu muito trabalho educá-lo. Minha mãe teve que ter muita paciência, mesmo! Estragou muita coisa (mas mesmo muita coisa), sujou muito, assustou-nos imenso quando adoeceu, deu e dá despesa (claro!), diminuímos a duração de nossos passeios, nossas viagens, mas, como poderia ser diferente? Não dava para descartá-lo; aliás, ele faz parte do nosso agregado familiar.
E assim espero que continue por muito e bom tempo…

Parabéns, meu Kibon lindo!



sábado, 2 de Agosto de 2014

BODAS DE AÇO: 11 Anos de Casamento

significado das bodas de aço

Bodas de aço - significado

Em um casamento é preciso firmeza e estabilidade, por isso o aço foi escolhido para representar o aniversário de 11 anos de casamento.
Para muitas construções se erguerem o aço é o principal material para assegurar a estabilidade de um alicerce, quando sofre impacto ele se deforma a fim de não se romper. Em 11 anos de casados o casal já passou por um turbilhão de impactos, mas foram capazes de moldar-se para que não houvesse um rompimento na união. (retirado daqui)

E "bota" turbilhão ...

domingo, 20 de Julho de 2014

Rubem Alves


Mais uma grande perda...


quarta-feira, 9 de Julho de 2014

Preparação para as férias!

Já me abasteci para as férias!


terça-feira, 10 de Junho de 2014

Santo António

Desde pequena que minha mãe montava em casa, o trono de Santo António.
Meu pai, que não era católico, admirava a vida deste homem especial, a tal ponto que foi o escolhido para ser o meu padrinho de batismo. (A minha família tinha esse hábito: um dos padrinhos era da "terra" e o outro era do "céu".)
Desta forma, ainda mantenho a tradição (apesar de, também, não ser católica) e eis o meu trono.


 Apesar do que possa parecer, não, não coleciono "Santo António".
Tive uma mãe de aluno que, a cada ano, oferecia-me um pintado à mão;
e como o primeiro ciclo é de 4 anos, ganhei mais quatro.
Os últimos dois, foram adquiridos por mim. E já vamos em 8.

O primeiro, e que já tenho desde a minha infância, é o que está dentro da bilha
(alusão à lenda associada ao santo). O da esquerda foi um dos oferecidos pela mãe do aluno.

Os maiores também foram oferecidos
pela mãe do meu aluno.
O menor foi adquirido por mim.
O segundo (que é o que está mais recuado)
foi oferecido pela minha madrinha de casamento.
O maior é outro dos que foi oferecido pela mãe do aluno.
O menor, comprei por minha opção.

segunda-feira, 5 de Maio de 2014

Um Adolescente Especial

No dia das mães, do ano passado, escrevi numa rede social o seguinte estado:

"É sempre o pior dia do ano...
Mãe devia ser imortal...
Filhos não deviam morrer antes da mãe..."

E, nessa mesma rede social, nesse momento, uma mãe de um ex-aluno partilhou-me o seguinte:


Hoje no caminho da escola para casa, deu-se o seguinte diálogo:
Filho: Mãe viste a publicação da professora?
Eu: Qual publicação? (já imaginando que fosse sua...)
Filho: Uma em que ela escreve que os filhos não deviam morrer antes dos pais...
Eu: Sim, essa vi.
Filho: Fiquei a pensar porque terá ela escrito aquilo.
Eu: Porque foi no domingo o dia da Mãe e a Professora deve ter pensado que nem ela nem os seus filhos não tiveram a oportunidade de celebrar juntos este dia.
Filho: Ah pois, deve ter sido por isso... Coitada, deve ter ficado tão triste... Quando é o dia da Mãe para o ano?
Eu: Acho que é sempre no primeiro domingo do mês de Maio, porquê?
Filho: Porque para o ano quero dar-lhe um miminho nesse dia. Importas-te Mãe?
Eu: Não (Respondo já de nó na garganta)
Filho: Não é que a professora seja para mim como tu és, mas ela esteve sempre ao meu lado em alturas muito difíceis da minha vida, por isso acho que devo estar ao seu lado em datas como esta, que são especialmente difíceis para ela. Se eu a fizer sentir um bocadinho menos triste no próximo dia da Mãe, já fico muito contente por mim e por ela! O que achas Mãe?
Eu: Acho que fazes bem. (Respondi com dificuldade, mas cheia de orgulho do filho que tenho.)
Provavelmente para o ano vai-se esquecer do que hoje planeou, mas fique com a intenção e sincera vontade de a ver um bocadinho menos triste nesse dia...

Hoje, 5 de maio de 2014, a telefonista da escola liga para a minha sala e diz que tenho uma "visita". Já sei que quando dizem isso, estão a referir-se a algum ex-aluno. Por antecipação, fico logo muito feliz com essas visitas.
Era mesmo um ex-aluno, o Alexandre.
Lá vem ele com seu sorriso e diz-me: "Olá, professora, trouxe-te um miminho. É por causa daquilo que escreveste."
Agradeci imenso, mas não perguntei a que ele se referia, pois (conhecendo-o como o conheço) deduzi que talvez não conseguisse controlar aquelas gotas que, às vezes, pulam dos olhos. Mas tive a impressão que talvez tivesse a ver com o dia das mães.
Quando cheguei em casa, a sua mãe contactou-me, através da mesma rede social, e relembrou-me o texto que transcrevi acima. Sinceramente, já não me lembrava mas

ELE NÃO ESQUECEU!


Como li algures: os filhos são o reflexo dos pais.

É uma enorme felicidade ter a oportunidade de conhecer "pessoas tão especiais".

sexta-feira, 25 de Abril de 2014

LIBERDADE


Nasci e cresci em regimes ditatoriais, em dois países: Portugal e Brasil.
A Ditadura é um bom regime?
Ninguém gosta de viver com o sentimento de que está constantemente a ser vigiado e controlado.
Meu avô paterno era monárquico e, até à sua morte (1961), sempre ostentou na lapela de seu casaco o pin da monarquia. Frequentava os cafés de Lisboa, como “Brasileira”, “Nicola”; e sempre manteve grandes diálogos, sobre assuntos como música e política, mesmo tendo a plena consciência de que, na mesa ao lado, estariam elementos da PIDE.
Meu pai, por duas vezes, quis tentar “melhorar de vida”, saindo de Portugal. Na primeira vez, foi chamado à PIDE para responder a várias questões: queria ir para onde?; para quê?; por quê?
Após responder a todas as questões e mais algumas, voltou a ser chamado para mais uma série de questões. Pelo meio do interrogatório, meu pai olhou bem para o agente e “atirou”:
- O senhor sabe mais da minha vida do que eu próprio. Já sabe as respostas antes de fazer-me as perguntas. Portanto, vamos parar de gastar o nosso tempo: ou autoriza a minha saída, ou não.
(Meu pai nunca foi o exemplo de serenidade; muito pelo contrário, manifestava-se sempre contra toda a atitude de prepotência e injustiça.)
E assim meu pai foi trabalhar 4 anos no Brasil.
Na segunda vez, logo à primeira “entrevista”, meu pai “atirou” a mesma frase e poupou-se muito tempo: foi para Angola, indo minha mãe e eu, passado pouco tempo.
Será que eles tinham sorte? Não sei.
Será que nunca sofreram represálias por não terem filiação política?
Talvez.
Sei que nunca alteraram a sua maneira de ser, a sua postura, as suas convicções no que diz respeito a justiça e respeito ao outro e a si mesmo, enquanto indivíduo.
Após a revolução de cravos, já em 1975, decidimos ir para o Brasil, pois por estas bandas, no auge da “tal” liberdade, impediam que todas as pessoas que voltavam de Angola tivessem acesso ao emprego. Sim, inúmeras vezes estava tudo encaminhado para meu pai preencher determinada vaga, ATÉ ele mencionar o seu último emprego. AÍ, como magia, a vaga deixava de existir.
Bem, se aqui tínhamos a PIDE, lá no Brasil, tínhamos o DOPS (Departamento de Ordem Política e Social). Desde o momento que fomos ao Consulado do Brasil para pedir a autorização de entrar no país, até a receber, passaram 4 meses. Meu pai, tendo nascido lá, teve que esperar que o DOPS pesquisasse toda a sua vida, principalmente se tinha envolvimentos de ordem política.
Sim, o regime ditatorial é controlador.
Agora vivemos com LIBERDADE!
Liberdade essa que manipula a forma como se ensina; liberdade essa que força recém licenciados a sair de seu país; liberdade que “usurpa” direitos adquiridos, à custa de muita luta; liberdade que “deixa” manifestar-te à vontade para, a seguir, premiar-te com a “NÃO RENOVAÇÃO” do teu contrato de trabalho ou, melhor, “promove-te” para um outro lugar bem mais distante da tua residência; liberdade que “rouba” os nossos salários e obriga-nos a trabalhar mais tempo.
Se calhar, os CAPITÃES DE ABRIL, lá no seu íntimo, devem estar a perguntar-se: FOI PARA ISTO ?
E agora surge a questão: - Prefiro viver numa ditadura ou numa democracia?
Desejo viver num regime político onde todos tenham a liberdade para ter acesso a um sistema público de saúde eficiente e de qualidade; onde todos tenham a liberdade para ter acesso a um ensino público de ensino onde se respeite o ritmo de aprendizagem de cada indivíduo e valorize-se as suas capacidades e competências; onde todos tenham a liberdade de ter acesso a um trabalho com condições e salário dignas; onde todos tenham a liberdade de ir e vir em segurança; onde todos tenham a liberdade de ter acesso a um serviço de justiça, verdadeiramente, imparcial; onde todos tenham a liberdade de poder desejar envelhecer pois sabem que terão uma velhice com qualidade.

Neste momento, sinto que vivo num regime muito pior do que a ditadura…