Páginas

Companheiros de Pensamentos

sexta-feira, 1 de setembro de 2023

Novo Ano Letivo

Iniciamos mais um "novo" ano letivo e, felizmente, com as mesmas carinhas larocas!

Há uns dias li um texto que achei interessante e bem ilustrativo do que se passa dentro de uma sala de aula.

Passo a partilhar:

TEORIA DA PIPOCA

Para preparar um balde de pipoca, colocamos VÁRIOS milhos JUNTOS. Todos eles na MESMA panela, no MESMO óleo, na MESMA temperatura.

Você já parou para pensar que os milhos NÃO estouram TODOS ao mesmo TEMPO?

TODOS são expostos aos mesmos ESTÍMULOS em sala de aula, mas TODOS APRENDEM e se DESENVOLVEM de uma maneira.

É PRECISO RESPEITAR O TEMPO DE CADA CRIANÇA!

quarta-feira, 2 de agosto de 2023

Bodas de Porcelana - 20 anos

"Bodas de porcelana é o nome dado para a comemoração dos 20 (vinte) anos de casamento.

De acordo com a cultura popular, uma das principais interpretações associadas a porcelana é a resistência, referindo-se ao fato do casamento manter-se intacto mesmo após duas décadas.

A porcelana é um tipo de cerâmica bastante delicada, sendo preciso muito cuidado para que não quebre. Outro detalhe que remete ao uso da porcelana como símbolo do vigésimo aniversário de casamento é todo o processo necessário para que este material atinja a sua máxima qualidade.

Em comparação com o casamento, a porcelana simboliza o zelo e a atenção que o casal manteve ao longos dos 20 anos. Representa a responsabilidade do casal por ajudar a manter a união do matrimônio e o compromisso e companheirismo que foi vivido nos últimos vinte anos."

(Não podia ser mais verdadeiro!)


domingo, 12 de fevereiro de 2023

Luta dos Professores

 


Basta!

Basta de opiniões e palpites de quem nunca trabalhou dentro de uma sala de aula frente a 20, 30 ou 40 alunos!

Como diz o velho provérbio “só quem está no convento, sabe o que lá vai dentro”.

Os Professores estão cansados de tanta falta de respeito. Falta de respeito por parte dos governantes; falta de respeito por parte de alguma comunicação social; falta de respeito por parte de alguns encarregados de educação.

Há quem diga: “E as outras profissões? Também não têm problemas?”

É claro que têm e, por isso, assistimos a greve de médicos, enfermeiros, oficiais de justiça, maquinistas, motoristas, …, e todas essas greves causam transtornos à sociedade em geral.

Mas os Professores são os vilões!

Depois ouvimos: “Coitadas das crianças que estão sem aulas!”

E os doentes que ficam sem consultas e têm as suas cirurgias adiadas? E os trabalhadores que são dispensados porque alguns patrões não querem saber se houve greve dos transportes?

Mas os Professores são os vilões!

E já que têm “pena” das crianças, vamos citar as crianças que são filhos de Professores.

Os filhos dos meus colegas nunca tiveram os pais (Professores) nas suas festas de escola. Os filhos dos meus colegas nunca foram levados, no seu primeiro dia de aula, pela mão da sua mãe ou pai, caso fosse Professor/a. Sei que, prontamente, há quem retruque: “Não foi porque não quis, pois a lei permite.” É verdade, a lei permite!

Mas os meus colegas, apesar de sentirem um aperto enorme no coração, optavam por não deixar os seus alunos nos dias de comemorações na escola. Optavam por estarem presentes, no primeiro dia de aulas, para acolherem os seus alunos.

Não, os Professores não são os vilões!

Sim, os Professores estão desmotivados!

Estão desmotivados para preencherem relatórios, planos, planificações, grelhas, levantamentos, entre outros tipos de “papelada”; mas não estão desmotivados para estar com seus alunos.

Existem aqueles que teimam em perguntar: “Então, porque não mudam de profissão?”

Esta pergunta é a prova de quem, efetivamente, não sabe o que é estar numa sala de aula; mas eu respondo.

Eu não mudo para a minha anterior profissão (técnica em patologia clínica que, por sinal, não trazia trabalho para casa e nem tinha reuniões após o horário laboral) porque não há nada mais motivador do que o olhar de uma criança quando descobre que está a LER.

Não há satisfação maior quando os nossos alunos demonstram satisfação nas aprendizagens que estão adquirindo.

Não há alegria maior quando somos reconhecidos e lembrados por ex-alunos.

Não há maior emoção quando uma ex-aluna diz: “Gostaria que fosse a Professora da minha filha.”

Mas o que leva alguém a querer continuar na profissão de Docente apesar das reuniões depois de um dia de trabalho; apesar de toda a burocracia envolvente; apesar de pagarmos impostos durante 6 anos, 6 meses e 23 dias e não servir para nada; apesar de não progredir na carreira (mesmo que o mereça); apesar de arrastarmo-nos com dores físicas pois a idade já começa a pesar e a mobilidade aos 66 anos (idade da reforma) não é a mesma da que havia aos 30 / 40 anos mas, mesmo assim, pegamos em crianças ao colo, brincamos, sentamo-nos no chão com elas (mesmo sabendo que haverá mais dor ao levantar); apesar da falta de consideração por parte de alguns (poucos) encarregados de educação?

Simples! O que leva alguém a querer continuar na profissão de Docente é a competência; é a certeza de que conhece muito bem o exercício da sua profissão; é o prazer que sente toda a vez que entra na sua sala de aula e encontra olhares ansiosos por mais saber; é o gosto pelo seu trabalho; é a plena consciência da sua importância na sociedade; é o amor pelos alunos que lhe são confiados.

Simples, assim!

Pronto! Desabafei!

Deixo uma sugestão a quem possa estar interessado, seja ministro, deputado, jornalista, etc: Passe uma semana numa sala de aula, exercendo a prática docente!

Tenho certeza de duas coisas: passará a respeitar os Professores e, quem sabe, não se apaixone por esta nossa profissão fundamental para todas as outras e venha a ser nosso colega.

quarta-feira, 5 de outubro de 2022

5 de OUTUBRO - DIA MUNDIAL DO PROFESSOR


E vivo essa "fantasia" na minha realidade há 28 anos!

 

terça-feira, 2 de agosto de 2022

Bodas de Água-Marinha - 19 anos


"A água-marinha representa a felicidade, pelo que nesta etapa o casal consegue ver o que já viveu e conseguiu a dois, os desafios superados e ultrapassados, bem como as conquistas alcançadas. Tal como a água-marinha, repleta de vida e beleza, o casamento está fortificado pela alegria, que consegue transmitir aos outros."

Sim, já conseguimos olhar por tudo o que passamos e, muitas vezes, surgem sorrisos.

sábado, 2 de julho de 2022

Ser Professora

Ser Professora não é SÓ ensinar ler, escrever e contar.

Para mim, ser Professora é tentar contribuir para formar cidadãos e cidadãs melhores...

É deixar sementes que possam germinar para a vida...

É ajudar a CRESCER...

E quando ex-alunos e ex-alunas visitam-nos e relatam o que, realmente, ficou nos seus corações e nas suas mentes... sinto um enorme orgulho de SER PROFRESSORA.





segunda-feira, 25 de abril de 2022

18 anos

 


Henrique e Pedro, vocês fariam 18 anos.

Seriam adolescentes felizes? Ou rebeldes? Gostariam de ler? Ou iriam preferir atividades práticas? Seriam irmãos unidos? Quem sabe?

Após 18 anos, a mesma pergunta permanece: se não era para os ter, porque engravidei?

Será que, um dia, ainda vou ter a resposta?

quarta-feira, 2 de março de 2022

Até quando?

 "Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte do continente, uma parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Europa ficará diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti".


Meditações VII, John Donne

quarta-feira, 8 de dezembro de 2021

Orgulho de ser Professora

 A professora ouve “barulho” na sala de aula e pensa “mas quem é que não para de falar?”

Ao olhar para a turma, a fim de descobrir quem estava a “conversar”, tem que se controlar pois, mesmo passado imenso tempo, ainda sente a mesma emoção.

Ninguém estava a conversar.

Os seus alunos (1.° ano) estavam a ler por sua própria iniciativa mas, claro, ainda não conseguem fazê-lo silenciosamente!
Já se passaram 27 anos de docência mas a paixão continua viva e nenhuma tecnologia substitui esta emoção.



domingo, 21 de novembro de 2021

Presentes para o Menino Jesus

 


- Papá, o que vais oferecer-me no Natal? – pergunta a menininha, ansiosa pela resposta, saltitando ao redor do pai.

- Oferecer-te no Natal? Mas é o teu aniversário? – responde o seu pai, com a intenção de proporcionar mais uma lição para a vida da sua pequena.

- Não, mas é o aniversário do Menino Jesus! – retruca, prontamente, sem parar de saltitar.

- Exatamente, é o aniversário do Menino Jesus; portanto, é Ele que deve receber os presentes, não achas?

A menininha, ao ser questionada, fica um pouco pensativa e resolve verbalizar os seus pensamentos.

- Mas, papá, como vamos dar presentes ao Menino Jesus e como saber o que oferecer?

- É simples! Quando fazes anos, o que costumas receber?

- Vocês adivinham sempre o que eu gosto e é isso que eu recebo: livros, peluches… vocês acertam sempre! – os olhos da pequena brilham ao lembrar os seus presentes oferecidos nos aniversários.

- O que achas que deixaria feliz o Menino Jesus? – o pai continua provocando a sua filhota para que reflita, apesar da tenra idade.

Ela senta-se bem próxima ao seu pai e faz uma pausa, olhando para o presépio montado, todos os Natais, na sua casa. Depois, fixa o olhar no seu pai e responde sem muitas certezas:

- Acho que Ele gostaria de receber boas ações de todas as pessoas.

- Boas ações? Como assim? – instiga o pai.

- Então… por exemplo: eu podia ser mais obediente a vocês, ajudar mais em casa (sem reclamar), ser uma boa colega para todos os meus colegas, ser sempre educada e respeitadora para todas as pessoas. Acho que o Menino Jesus ficaria feliz com estas minhas atitudes.

- Tens razão, seriam ótimos presentes! E as pessoas crescidas? Que presentes poderiam oferecer-Lhe?

- As pessoas crescidas? Bem, deixa pensar… Eu acho que um presente que o Menino Jesus gostaria muito de receber das pessoas crescidas, é que não fizessem mal. Não fizessem mal aos animais, à natureza, às crianças, às mulheres… enfim, que se preocupassem a fazer o bem. Papá, eu acho que se todas as pessoas crescidas fizessem o bem, as guerras acabavam; não é?

- Tens toda a razão! As guerras acabavam e seriam ótimos presentes, minha filha. – o pai está feliz pela reflexão da sua pequena.

A menininha levanta-se toda feliz por, afinal, não haver motivos para as suas incertezas e prepara-se para ir entreter-se com os seus brinquedos mas, de repente, para e, voltando-se para o seu pai, lança a seguinte questão:

- Papá, vocês não esperam o meu aniversário para darem-me presentes. Quando encontram algo que sabem que eu gostaria de ter e, se podem, compram para mim, certo?

- Sim, é verdade, minha filha. Todo o momento é bom para dar mimo ou carinho a alguém; não é preciso esperar o dia do aniversário para fazê-lo. Mas por quê essa pergunta agora?

- Porque também não é preciso esperar o Natal para dar esses presentes ao Menino Jesus, certo? O Natal deve ser sempre que quisermos!

O pai sorri e seus olhos ficam ainda mais brilhantes. Conseguiu! Deixou uma lição para a vida da sua pequena!

Não é preciso esperar o Natal para lembrar de quem passa por necessidades, para lembrar dos animais abandonados…

Não é preciso esperar o Natal para “viver” a solidariedade!

(Esta menininha cresceu e nunca esqueceu esta linda lição passada pelo seu Pai e, também, partilhada pela sua Mãe. Agora, ela transmite aos seus alunos na esperança que continue a ser perpetuada... Quem sabe... um dia... todas as pessoas resolvam oferecer estes presentes ao Menino Jesus... durante todos os anos...)