Memorial

Companheiros de Pensamentos

domingo, 29 de março de 2009

Porquê?

Em muitos momentos de minha vida, fiz esta pergunta: Porquê?
Comecei, como todos, a perguntar porquê o céu é azul, o mal salgado, o gelo frio... perguntas de criança.
Depois, os Porquês foram ficando mais pesados.
Porquê o meu cão Pimpão ainda não voltou do doutor? Já se passou tanto tempo! Claro que não ia voltar...
Porquê a terra está a tremer? Porque S. Pedro está a mudar os movéis de lugar.
Porquê não conheci meu avô? Porque ele teve que ir fazer companhia a Deus.
Enquanto era criança, as respostas às minhas perguntas tinham uma certa lógica. Para quem acreditava em Pai Natal, em Anjo da Guarda e, principalmente, acreditava nas pessoas que davam a resposta, era natural que aceitasse essas respostas.
Mas cresci. Descobri que Pai Natal era um símbolo...
Descobri que nem sempre as respostas nos convencem, ou melhor, aliviam as nossas dores.
Porquê tive uma enorme decepção com alguêm que, simplesmente, idolatrava?
Porquê meu pai partiu quando, finalmente, tinha regressado à sua terra amada?
Porquê minha mãe foi embora quando eu tinha começado uma nova vida?
Porquê engravidei de gêmeos, se um morreu dentro de mim e o outro partiu depois de 22 dias?
Porquê?
É claro que já tratei de arranjar uma série de respostas possíveis:
-... chegou a hora. (essa é a que mais detesto)
-... para não sentir mais dores. (não me convence)
-... para não vir a ter problemas. (quem garante?)
-... porque Deus sabe o que é melhor. (???)
Não gosto muito de pensar nas respostas para estas perdas, pois começo a sentir um pouco de revolta.
Em vez disso, gosto de pensar no que tenho:
- Lembranças maravilhosas de tudo que vivi com meus pais.
- Pessoas amigas.
- O dia-a-dia da minha profissão e o prazer que tenho em exercê-la.
- Um marido que tem demonstrado ser um grande amigo, um óptimo companheiro, uma força que ajuda-me a não pensar em respostas para certas perguntas.
- E os meus câezitos, minhas sombras.
Não vou negar que ainda vou ter muitos dias em que vou olhar para o céu estrelado e fazer sempre a mesma pergunta: Porquê?

2 comentários:

Telma Miranda disse...

A verdade está nas estrelas, diriam alguns. Mas a verdade, está bem mais perto, e no entanto, tão longe. Mas tudo faz parte do caminho traçado por nós em outros tempos e em outros lugares. Mas sempre voltamos, para aprender e evoluir...Com o tempo, tudo será esclarecido. E, com o tempo...tudo será compreendido. Porque nada acontece por acaso. TUDO! Tem um propósito. Para alcançar um onhecimento que fazem parte sem dúvida da nossa evolução contínua. Todos de quem sentes falta (sem excepção)estão ao teu lado, em cada passo da tua vida...e, em cada gesto.

Rosa Carioca disse...

Acredito nisso, aliás, é isso que me dá força para continuar.