Memorial

Companheiros de Pensamentos

domingo, 6 de abril de 2014

REGRESSO

(imagem tirada da net)
Faz hoje 15 anos que desembarquei no aeroporto de Lisboa.
Vinha do Brasil, terra onde vivi 23 anos. Antes disso, já tinha vivido 5 anos em Angola, portanto apenas os primeiros 8 anos de minha existência foram vividos em Portugal.
Mas o que ocasionou que voltasse a esta terra, já que tinha a minha vida bem estabilizada no Brasil?
Dois motivos:
1º A violência, a criminalidade no Brasil estava num grande crescendo.
2º O fato de meus pais sempre ficarem emocionados ao verem programas/notícias de Portugal.
Naqueles momentos, ao olhar suas lágrimas, no meu íntimo não entendia por quê toda essa comoção.
Saudades de uma terra onde sempre tiveram que batalhar pelo seu sustento?
Saudades de uma terra onde tiveram tantos desgostos?
Como isso é possível?
Enfim…
É possível, sim! Só percebi o que meus pais sentiam, naquele dia, há 15 anos, quando sobrevoava Lisboa. Ao ver a minha cidade natal, fui tomada pela emoção.
Voltava à minha terra. Ainda hoje não consigo explicar por palavras. Só sei que a partir daquele momento, compreendi exactamente como a nossa terra está enraizada em nosso coração, para sempre.
Vim viver numa aldeia onde encontrei pessoas fantásticas.
Durante estes anos, passei por momentos trágicos: o ataque cardíaco fulminante de meu pai, a doença repentina e morte de minha mãe e o falecimento de meus filhos. Em todos estes momentos, tive o apoio e acompanhamento dos habitantes desta localidade. Foram incansáveis!
Da mesma forma, que acompanharam as minhas alegrias e alegraram-se comigo nos bons momentos; nomeadamente com o meu casamento e com o meu trabalho.
Angola e Brasil sempre terão um lugar bem cuidado em meu coração, principalmente por causa das pessoas com quem convivi; mas Portugal é a terra que me viu nascer, aqui estão minhas raízes.

Quanto ao Sobreiro, é meu “porto seguro” e merece toda a minha gratidão.

7 comentários:

João Roque disse...

Ser-se grato é algo que nem toda a gente consegue ser, e é tão fácil, não é?

Raquel disse...

Dei comigo a fazer contas p descobrir a tua idade Ahahahaha .

Fico sempre emocionada c histórias de emigraçao...

Ainda bem q encontraste nessa terra o "porto sguro"

www.margaridaflordaminhavida.blogspot.pt

Margarida disse...

viveste em Angola? :)
eu, quando viajava para o estrangeiro, mesmo por poucos dias, tinha uma imensa saudade de casa. não tanto por ser Portugal, se bem que lá fora, eu acabava por ir aos cafés portugueses, via os logos da delta, das cervejas, a bandeira, e sentia-me quase em casa. mas as saudades era mesmo do meu canto, do meu lar.
há muitos, muitos anos, os emigrantes levavam um saquinho de terra da sua aldeia e colocavam debaixo da cama. eu gosto do meu país. não agora, como está, mas gosto. podia viver bem lá fora, mas teria de regressar em férias. mas como tudo, uma pessoa acaba por se habituar a viver noutra terra, penso eu.

ღ Magda ღ disse...

Olá Rosa!
A vida é assim, repleta de altos e baixos de tristezas e alegrias... Assim, vamos ficando mais fortes e evoluindo como seres humanos.
Amei a foto de seus anjinhos no cabeçalho do blog! São muito lindos e fofos!
Beijinhos e obrigada pela agradável visita.

Fê blue bird disse...

Amiga, nunca saí do meu país, mas decerto se o fizesse e um dia voltasse sentiria a mesma emoção.
As nossa raízes falam sempre mais alto.

Gratidão é um sentimento precioso.

beijinho

Já agora faço anos a 6 de Abril :)

Smareis disse...

Olá Rosa!

As raízes sempre grita forte dentro de nós. Não sei como seria se tivesse que deixar minha terra.
Aqui no Brasil realmente a criminalidade e a violência tem crescido assustadoramente.
Desde já desejo uma excelente páscoa a você e todos os teus.
Um abraço com carinho!
Ótima semana!

São disse...

Que dores profundas tem tido. porque se ver partir os mais velhos e repentinamente é uma dor terrível nem consigo imaginar o que é ficar sem os filhos....embora conheça pessoas que muito estimo com essa muito dolorosa vivência.

E a nossa terra é sempre amossa terra, realmente.

Abraço com muito carinho, Rosa