Memorial

Companheiros de Pensamentos

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

"A Pele que há em mim"




Quando o dia entardeceu e o teu corpo tocou
Num recanto do meu, uma dança acordou
E o sol apareceu de gigante ficou
Num instante apagou o sereno do céu

E a calma a aguardar, lugar em mim
O desejo a contar, segundo o fim.
Foi num ar que te deu e o teu canto mudou
E o teu corpo do meu uma trança arrancou
E o sangue arrefeceu, e o meu pé aterrou
Minha voz sussurrou, o meu sonho morreu

Dá-me o mar, o meu rio, minha calçada.
Dá-me o quarto vazio da minha casa
Vou deixar-te no fio da tua fala.
Sobre a pele que há em mim
Tu não sabes nada.

Quando o amor se acabou, e o meu corpo esqueceu
O caminho onde andou nos recantos do teu
E o luar se apagou, e a noite emudeceu
O frio fundo do céu foi descendo e ficou

Mas a mágoa não mora mais em mim
Já passou, desgastei, pra lá do fim
É preciso partir, é o preço do amor
Pra voltar a viver, já nem sinto sabor
A suor e pavor, do teu colo a ferver
Do teu sangue de flor, já não quero saber

Dá-me o mar, o meu rio, a minha estrada
O meu barco vazio, na madrugada
Vou deixar-te no frio, da tua fala
Na vertigem da voz, quando em fim se cala.


Gosto imenso de ouvir esta voz. Uma voz suave, uma melodia calma. É claro que traduz uma certa tristeza, uma melancolia, uma despedida, um amor que chega ao fim... Mas mesmo os amores que chegam ao fim, deixam sempre algo para recordar, nem que seja as lições que colecionamos nas nossas vidas e que vão contribuir para viver um novo amor...

7 comentários:

CLEMENTE GERMANO MULLER disse...

Oi minha querida amiga Rosa Carioca. Que bom ter amigos como você, mesmo que um pouco longe fisicamente. Obrigado pelas visitas tão amáveis lá no meu diário. Linda essa música, embora traga um pouco de tristeza. Um grande beijo, fique com DEUS.

Sônia Silvino disse...

Que lindo, amiga!
Tenha um excelente dia!!!
Beijocas!

pinguim disse...

Concordo contigo em tudo o que dizes,sobre a voz, sobre o poema, enfim, sobre os sentimentos nele expressos.
Mas, só a lembrança de um fim de uma relação me basta para ficar cismado.
E não me refiro só à minha; há pouco tempo findou, amigavelmente uma relação de muitos anos, de dois amigos meus, e suponho que sofri mais eu, do que eles...

Anne Lieri disse...

Rosa,tem razão: Um canto triste,mas muito lindo!bjs,

Maria disse...

Adorei a voz que é doce e linda e a letra.
Amiga, hoje deixei no meu cantinho um obrigado aos Amigos. É um miminho simples mas feito com carinho para agradecer a companhia na estrada da vida e porque seu cantinho é ESPECIAL, um espaço onde a qualidade e o bom gosto estão sempre presentes em todos os posts.
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

Fê-blue bird disse...

Obrigada amiga, não conhecia esta linda voz.
Um poema de amor muito belo.
Virei fã :D

DrFunkenstein disse...

Oi Rosinha!!
Que excelente escolha musical. Um belo poema numa bela melodia, com duas belas vozes...que me embalam a melancolia de um sentimento que ainda está quente...
JP Simões, sempre!
Beijocas