Memorial

Companheiros de Pensamentos

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Minha Nação

(imagem tirada da net)

Neste momento, estou a dar a História de Portugal aos meus "pequenos".
Apesar de ter vivido um bom par de anos no Brasil, Portugal é o meu país, onde nasci, onde passei a minha infância e onde estou a viver no presente.
Com meus pais, aprendi a "conhecer" a História de Portugal e com a Professora Terezinha aprendi a História do Brasil.
Ambas, grandes Nações, repletas de grandes homens e grandes mulheres, grandes feitos!
Para além de ensinar os fatos e personagens históricos, mostro o orgulho que tenho na minha Nação e em tudo que conquistou e realizou ao longo dos tempos.
Sim, tenho orgulho de ser Portuguesa! Sim, tenho orgulho de ter passado uma parte da minha vida no Brasil!
Apenas não tenho orgulho em certos políticos e politiquices.
Quando vivia no Brasil, costumava ouvir que o Brasil nunca cairia no caos, pois ele É maior que o caos.
Quando estou a falar de todos os feitos que os Portugueses fizeram, penso: "Bolas; um povo que conquistou tantas vitórias, contra tudo e contra todos, tem que conquistar um futuro melhor!"
Que meus alunos possam dizer, com orgulho: "SIM; SOU PORTUGUÊS. SIM; CONTINUAMOS A SER UMA pequena GRANDE NAÇÃO."

9 comentários:

Sônia Silvino disse...

Às vezes, graças aos políticos sem noção, confundimos a pátria com os problemas que há nela e nos desgostamos. Mas a Pátria é o nosso lugar no mundo. Devemos valorizá-la.

Beijos, minha querida!!!!

Pepi disse...

Passamos para agradecer a visitinha e
mandar muitos beijinhos e ronrons
Com Carinho de
Pepi e Xixo e Nosso Mãe

acácia rubra disse...

Gostei muito do teu texto. Transpira esperança e confiança naqueles que, diariamente, dão o seu melhor para que Portugal se vá escrevendo ainda com maiúscula.

Não acredito é naqueles senhores feudais, que tomaram conta dos bens morais e materiais dos servos que trabalham para eles ficarem nas fotografias sempre com um ar feliz e intocável.

Obrigada pelo carinho que tenho recebido de si. Vou andando, pé ante pé para me equilibrar.

Beijo

Anne Lieri disse...

Rosa,eu amo os portugueses e fico triste quando ouço as noticias políticas e economicas do seu país!Toda a Europa está em dificuldades mas como o brasileiro, o "filho teu não foge á luta" e irão superar!Beijinhos!

Regina Rozenbaum disse...

Claro sim, ora pois! Apesar de todas as mazelas, desmandos, temos que nos orgulhar de nossa Pátria. É bem verdade que muitas vezes nos envergonhamos (eu pelo menos sim)e bate uma desesperança enorme, mas passa.
Beijuuss n.a e um fds maravilhoso procês

Fê-blue bird disse...

Minha amiga:
De que vale ter orgulho no nosso pais, se ele (digo quem nos des-governa)não tem orgulho em nós?!
No entanto gostei do positivismo do teu texto :)
Beijinhos e bom fim de semana

Carlos Albuquerque disse...

É reconfortante, nesta era cinzenta que vivemos,encontrar uma professora que pensa assim o seu país, e o transmite aos seus alunos.
Obrigado!
Com pena minha não conheço o Brasil, mas andei por grande parte do mundo, desde a longínqua Adis Abeba, no "Corno de África" a Karlovivari na República Checa e Leninegrado na ex-União Soviética (hoje São Petersburgo), na actual Federação Russa.
Por todo o lado porque passei encontrei sempre, pelo menos, um português, o que me foi dando a noção da dimensão do nosso País. O que não me surpreendeu porque sempre tive a noção de que nós, os portugueses, fizemos do mundo, todo ele, o nosso sítio de estar, a nossa própria grandeza. Como a Rosa, creio ser chegada a hora de nos recuperarmos, dando dimensão e grandeza, de novo, ao pedaço do mundo que temos virado ao Atlântico. Readquirirmos o orgulho de sermos portugueses, afastando a gente que nos quer roubar o presente e torturar o futuro.
Abraço

Severa Cabral(escritora) disse...

Boa noite minha querida!

Muito bom saber que és uma professora de História de Portugal,eu sou uma ex professora de História do Brasil...por isso amei saber mais um pouco de ti...
Bjssssssssss

pinguim disse...

Que felicidade leccionar História; é um velho sonho meu, irrealizável, pois errei o curso que tirei.