Memorial

Companheiros de Pensamentos

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

E lá se vai mais um ano...



Tenho a mania de olhar para trás e ver o que acumulei ao longo dos anos.
Gosto de colocar numa balança as coisas positivas e negativas e ficar olhando qual o prato que pesa mais.
Já tive anos bem ruinzinhos e anos que trouxeram verdadeiros milagres:
- 1975: saí de uma terra onde vivia-se a felicidade, a alegria, a boa vizinhança, deixei de ver os pôr-do-sol fantásticos, deixei bons amigos, grandes colegas, dos quais perdi completamente o contacto, infelizmente.
- 1976: meu pai sofre um enfarte do miocárdio; os médicos não dão nenhuma chance e ele recupera.
- 1979: conheci uma amiga de loooooonga data (30 anos de amizade).
- 1982: concluo a minha formação em Patologia Clínica e começo a trabalhar em Laboratórios de Análises Clínicas. Conheci Bons Colegas de trabalho, mas também constatei que o ambiente de trabalho é bem diferente do ambiente de sala de aula, aliás, já tinha sido avisada pelo meu Professor Laurindo Chaves Neto.
- 1993: obtenho a minha Licenciatura em Pedagogia, juntamente com umas colegas fantásticas. Uma turma de lutadoras, de persistentes, de solidárias, onde a amizade nos unia. Graças à Internet, ainda mantenho contacto com elas.
- 1994: sou “contaminada” com o vírus do Ensino. Comecei a minha carreira de Professora e posso dizer que, apesar de tudo, ainda continuo apaixonada por esta profissão. E contrariando o que dizia o meu Professor Laurindo, tenho boas e grandes amigas nesta profissão.
- 1998: visitei a Expo 98. Um sonho realizado. Um reencontro com minha terra natal. Um reencontro com pessoas que não via há muito tempo. Um reencontro com um passado que guardava algumas feridas mas também algumas boas recordações. Neste ano também concluí a minha Pós-Graduação, onde conheci três irmãs maravilhosas que desde então vivem no meu coração.
- 1999: regresso de vez às minhas raízes e a algumas decepções.
- 2000: foi um ano muito triste e que gostaria que nunca tivesse existido. Perdi irmã, Pai, tio e tia. Mas também foi o ano onde “vi” a solidariedade dos vizinhos que nos conheciam há pouquíssimo tempo, foi o ano em que surgiram grandes amizades e que persistem até aos dias de hoje.
- 2002: perdi um tio muito querido.
- 2003: foi o ano em que recebi um grande presente, um Bom Marido. Um Marido que veio lembrar-me que o caminho é sempre para a frente; um Marido que tem uma sensibilidade “silenciosa” e uma valor “gritante”; um Marido que consegue “demonstrar” as palavras mais românticas deste mundo; um Marido que compartilha as tardes de chuva, os passeios mais inesperados, os bons petiscos…e as noites (claro); um Marido que conseguiu dar-me a força necessária para continuar a viver.
- 2004: outro ano para esquecer. Perdi minha mãe e meus filhos.
Todos os outros anos foram anos cheios de momentos felizes, com saúde e trabalho.
Este ano, que está quase a chegar ao fim, também foi um ano cheio de momentos muito felizes, com muita saúde e trabalho e com a grande oportunidade de cativar mais uma amizade.
E olhando bem para a balança, o que vejo?
Um dos pratos contêm todas as perdas que tive, todas as lágrimas que derramei, toda a revolta, mágoa, decepção que vivi.
O outro prato tem a saúde, o trabalho, o meu marido e os meus amigos e dá para perceber o quanto está pesado. Tão pesado que consegue levantar, facilmente, todas as tristezas sofridas. Graças a Deus… e que continue assim no Ano que vem (e com a companhia dos meus cãezitos).

11 comentários:

Sônia Silvino disse...

Rosa Carioca!
Muito emocionante a tua história. Fiquei surpresa com alguns detalhes dos quais não tinha nenhuma ideia. Mas não quero falar em coisas tristes. Vim te visitar e te desejar um lindo 2010, minha amada! Muita paz no teu coraçãozinho, muita saúde e muuuito amor ao lado do maridão.
Quero continuar contigo em 2010!!!
Bjkas, minha amiga! Ah... lambeijos pros cachorrinhos!!!

Maria João disse...

Rosa

Obrigado por teres deixado, lá no meu cantinho, palavras carinhosas.
Vim conhecer-te... e sabes, saio daqui com os olhos rasos de àgua.
A tua história, contada em balanço fez-me pensar... pensar nas tuas perdas e no valor que dás ao que tens, apesar de tudo...
O que levo de melhor na vida, são estas emoções que me fazem crescer interiormente. Sentir-me próximo dos outros é a minha forma de ser feliz! Agradeço-te também por isso.
Um ano cheio de coisas boas e.. continua a visitar-me. Acredita que voltarei aqui!

Um beijinho

Rosa Carioca disse...

Sonia,
Maria João,
Sempre palavras doces, obrigada.
Foi um prazer "conhecê-las" e vamos continuar a nos "visitar".
Beijos.

Carlos Albuquerque disse...

Rosa
Apesar das perdas é uma mulher que dá valor ao que tem. Isso é, para mim, a chave da vida.
Bem haja, amiga.
Um Bom Ano Novo
Beijos

Rosa Carioca disse...

Tem que ser assim. Como aprendi de uma Sra. Enfermeira ANGOLANA (quando tive um aborto espontâneo): "ÁGUA QUE CAI NA AREIA NÃO SE APANHA MAIS." Temos que seguir em frente.

Verena Niederberger disse...

Rosa
Obrigada por ter visitado o meu Blog!!
Um Feliz Ano Novo com muita Paz, Saúde
Um beijão

Verena Niederberger disse...

Rosa Carioca
Obrigada por ter visitado o meu Blog!!
Um Feliz Ano Novo cheio de Saúde e paz!!

DrFunkenstein disse...

Oi amiga! Que 2010 seja pra ti um ano de boa colheita. Como os bons vinhos, claro!!! E que um dia quando voltares a fazer esta retrospectiva, possas sentir uma satisfação enorme e saboreares com lembranças este ano que passou...(mas que vai rolar!) Muito sucesso, paz, love e saúde, pra ti, pró maridão e prós bobys ;)

Sônia Silvino disse...

Rosa!
Adorei a tua participação na minha "cozinha".
Como sempre, muito atenciosa!
Bjkas, minha querida amiga!

Sônia Silvino disse...

Rosa!!!
Tenho um selinho pra ti no meu blog Reflexões!
Bjkas!

Maria João disse...

Rosa

Mais uma vez, obrigada pelo teu carinho.

Beijinhos