Memorial

Companheiros de Pensamentos

sábado, 5 de dezembro de 2009

Natal



Gosto muito do Natal.
E por quê?
Por algo que aprendi quando era bem criancinha. Todo o nascimento é motivo de alegria.
Para mim, nunca teve a ver nada com a oferta de prendas, pois meu pai era da opinião que toda a hora, todo o dia é apropriado para ofertar algo a alguém.
Porque temos que esperar até AQUELE dia para oferecer alguma coisa que vimos, que relacionámos com alguém e que tivemos a condição de adquirir? Por quê temos que esperar para ver seus olhos iluminarem-se ao abrir o presente?
Não; Natal, para mim, é muito mais.
Também não compreendo porque algumas pessoas só resolvem ser solidárias, "boazinhas" nesta altura. Sempre é altura para sermos solidários e "bonzinhos". (Pelo menos foi isso que sempre ouvi em minha casa.)
Não; Natal, para mim, é muito mais.
Outra coisa que nunca entendi é o facto de algumas famílias nunca se falarem durante o ano inteiro e quando chega o Natal... resolvem encontrar-se. Não eram família no resto do ano? Ou não tinham telefone, telemóvel, etc, nos outros dias, meses?
Não; Natal,para mim, é muito mais.
Para mim, é mais um momento, como muitos outros, para guardar boas recordações:
- o trabalho que minha mãe tinha ao montar nosso presépio (agora sei bem o que custava);
- a emoção de meu pai ao chegar-se perto do Menino Jesus e ficar uns momentos calado, ao mesmo tempo, que algumas lágrimas apareciam em seus olhos;
- (e como tudo era motivo para comer "coisinhas doces") as rabanadas, o pão-de-ló, o bolo-rei, as filhoses, tudo feito pela minha mãe;
- sempre depois do almoço de Natal, meu pai dizia à minha mãe (como dizia, igualmente, muitas e muitas vezes): "Que Deus te dê muita saúde e muitos anos de vida, como me soube bem esta comida!" E minha mãe sorria.
- e a magia... magia que sempre quis que continuasse todos os dias... mas que, infelizmente, não é assim.
Natal, para mim, é isso. Um momento de alegria e mais um momento em que faço força para acreditar que a Magia, que os Sonhos, que a Esperança, podem existir todos os dias...

2 comentários:

Sônia Silvino disse...

Rosa!
E aqueles que se encontram somente nos funerais? Dá pra entender? Os seres humanos, às vezes, são muito estranhos, não é mesmo?
Saúde e paz, minha amiga querida!
Bjkas!!!!

Rosa Carioca disse...

E como sei disso... Não dá para entender... arranjam tempo para ir aos funerais e nunca têm a oportunidade de conviver enqanto há vida!