Memorial

Companheiros de Pensamentos

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Pensando no que disse o João...

“Esta é a visão optimista e a que devia ser a única e a verdadeira, de uma pessoa se sentir um verdadeiro professor.
Infelizmente a realidade é outra, muito diferente e ser professor, hoje em dia é mais uma profissão de risco do que uma reconfortante recompensa diária.” (João Roque; do Blog whynotnow)
Sim, é verdade, é uma profissão de risco.
Professores são agredidos fisicamente por alunos, por encarregados de educação… São denegridos por “determinados” políticos, por “determinados” ministros, por “determinados” governantes, por “determinados” comentaristas na comunicação social. (Acredito que estes são casos de ex-alunos traumatizados!)
É claro que houve, há e sempre haverá péssimos professores. Há aqueles que escolheram esta profissão porque não gostavam de matemática (nunca entendi esta justificativa).
Ouvi dizer, há muito tempo, que o curso de magistério é um curso espera-maridos. (???)
Há aquelas pessoas que escolheram esta profissão porque a achavam fácil (aonde?).
Também há aqueles que escolheram esta profissão porque achavam que iam trabalhar pouco (inocentes!).
Sim, há péssimos professores que nunca deveriam ter iniciado a carreira docente; se calhar, são exatamente os que escolheram a profissão pelos motivos errados.
Quando, adolescente, buscava uma opinião de meus pais sobre qual profissão devia seguir, eles sempre respondiam:

“- Filha, não nasceste rica. Vais ter que trabalhar como teus pais sempre trabalharam. Portanto, escolhe uma profissão, um trabalho que, para além de fornecer-te o que necessitas para viver, te dê prazer. A pior coisa é, logo de manhã, ires para o teu emprego já desanimada pelo que vais realizar.”

Não iniciei a minha carreira profissional na docência.
Confesso que, quando escolhi cursar a licenciatura em Pedagogia, não estava nos meus planos exercê-la em sala de aula. Muito pelo contrário, planejava vir a ocupar uma vaga de pedagoga na companhia siderúrgica, onde trabalhava na altura.
Mas como o Homem põe e Deus dispõe… E ao descobrir a profissão de Professor, descobri, SIM, que pode ser uma reconfortante recompensa diária.
Apesar de não ser fácil lidar com seres humanos em formação, com seus encarregados de educação, com diversas origens, valores, culturas; apesar de ter que desenvolver um trabalho para além do que se desenvolve em sala de aula (pois um Professor, para além de aplicar diferentes metodologias, utilizar diversas técnicas, pesquisar variadas estratégias, preparar aulas, corrigir testes, analisar trabalhos, preencher uma vasta documentação exigida pelos vários órgãos competentes; também tem que se manter bastante atualizado pois, continuadamente, convive com novas gerações – e isto “sai do nosso bolso”); para além de roubar muito tempo à família para desenvolver projetos; é compensador observar como as pedras brutas vão se transformando, pela nossa ação, em DIAMANTES de grande quilate.
É claro que nem sempre temos sucesso; é claro que nem sempre a escola tem condições para atender nossas reivindicações; é claro que nem sempre os pais desempenham o seu papel; é claro que muitas vezes ouvimos:

O meu filho tirou notas muito boas. Ele é tão inteligente!

“O meu filho tirou notas baixas. A professora não ensina nada!

(acho interessante como no primeiro caso, a professora “não risca nada” e como no segundo, o aluno “não risca nada”! Enfim…); é claro que nossos salários são baixos, não temos ajudas de custo para habitação, transporte (como têm os nossos dedicados deputados, ministros,…); é claro que, às vezes, sentimo-os frustradas, impotentes, revoltadas; mas AINDA não conseguem furtar-nos a alegria que sentimos ao constatar o fruto do nosso trabalho, ou seja, o desenvolvimento dos nossos alunos.

(imagem da net)
Obrigada a todos os que deixam seus comentários neste meu cantinho.
Obrigada, João, pela oportunidade de desabafar mais um pouquinho. Seus comentários instigam-nos a refletir, a repensar, a dar sempre mais um passo à frente.

14 comentários:

Anne Lieri disse...

Rosa,um excelente e reflexivo texto sobre a nossa profissão,que a meu ver é dom, é amor, tem que amar muito prá ser professor e todos os dias!Lindo texto,amiga!Bjs,

DrFunkenstein disse...

Hoje cumpri um desejo que há muito vinha para ser realizado. Tive o privilégio de apresentar uma festa de Natal num grande pavilhão. Tive o privilégio de assistir ao espetáculo quase dentro da peça. Tive o privilégio de poder olhar de frente as crianças e os olhos emocionados das suas famílias. Tive o privilégio de me "apetecer" contar uma história de Natal adaptada por mim para todos os presentes (em silêncio)...e no fim deste privilégio tive o prazer de deixar que me vissem como o porreirinho professor banana e entrar de assalto com uma história que fez engolir em seco os presentes...que falava acima de tudo da falta de valores(que já vêm semeados de casa). Quando terminou o espetáculo com cerca de 200 convidados pensei: tenho o privilégio de ser professor, como quero, como sou e como DEVO. Quando entrei no carro, tive o privilégio de me sentir bem...

Kippy Marrie disse...

Olá amiga Rosa Carioca...
Passamos para te desejar um ótimo final de semana.
Cheio de paz e muita alegria.
Aus 1000 e Beijos 1000 com amor das amigas...

KIPPY & LILLY

He-Man Augusto e Theodoro Augusto. disse...

Obrigada pelo comentário...um otimo final de semana!

lambidas e beijos

Maria disse...

Amiga acredito que nos tempos que correm ser professor não é muitas vezes uma tarefa fácil, mas é para mim uma das mais importantes profissões. Um professor dá carinho, dá amizade, dá amor, ensina o que o respeito, forma os futuros homens e mulheres do amanhã, que outra profissão consegue dar assim tanto?
Como muitos amigos se ausentam este fim de semana para passar o Natal com familiares e amigos, aproveito para desejar desde já um Natal muito feliz e um maravilhoso Ano Novo.
“A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida.” (autor desconhecido)
Beijinhos
Maria e familia

Fê-blue bird disse...

Minha amiga, tive ao longo da minha vida como aluna e como mãe mais tarde, o prazer de ter e ver professoras extraordinárias que ofuscaram completamente as más experiências que sempre existem em qualquer profissão.
Se há coisas que lamento na vida foi não ter seguido esta nobre profissão/vocação.
Continue pois a lapidar as pedras brutas!

beijinhos

beijinhos

acácia rubra disse...

Vou começar na 2ª com as reuniões. Vou cair em cima da consoada como tantos outros professores com vontade de cair na cama...

Mas ontem aconteceu-me uma coisa daquelas que nos põem a chorar por fora e a pular por dentro.

À porta da escola onde estava com outras colegas à conversa, parou um carro e dele saiu um garoto que anda agora no 8º ano. Sorrindo veio direito a mim e pediu se ia até ao carro que a Mãe me queria falar. Não a conhecia. Uma senhora de mais idade permaneceu no carro e desculpou-se com a falta de mobilidade. Queriam, Mãe e Avó, agradecer o ter sido professora do Francisco no 5º e 6º ano... e remataram que o cinco que ele tem mantido a Português mo devia. Chorei ali à frente das senhoras, do Francisco...

Há coisas que são um bálsamo e que nos dão a certeza do dever cumprido.

São estes reconhecimentos que nos dão alento para continuar.

Tive ontem a minha melhor prenda de Natal!

Deixo um beijo cheio de carinho e votos de uma Natal passado com muita Paz e a doçura do carinho da Família.

Beijo

CLEMENTE GERMANO MULLER disse...

Oi minha querida amiga ROSA.

Estivemos juntos por mais um ano, para minha alegria, no blog, no facebook, no orkut, no e-mail, não importa, eu agradeço.

Há de ser o Natal um grande momento de paz. Há de ser o Ano Novo um tempo de amor.

Que a paz, o amor e a harmonia permaneçam em seus corações e seus lares.

Quando em minhas preces, agradeço por vocês existirem na minha vida, enxergo minha pessoa, tão frágil, tão “comum”, tão indignada com as coisas do mundo e me pergunto,como cheguei a vocês?

Sem planejar, até mesmo sem perceber, aumentou minha família.

Escuto um eco enorme à minha pequena voz... vocês apareceram na minha telinha, tão natural, tão espontâneo!

Chego a pensar que sempre foi assim. É assim!!!

Percebo ainda, que falamos em

Anas, Josés, Cecílias, Beths, Rosas, Carminhas, Marias essa e aquela, Edisons, Eloys, Fátimas, Veras e tantos outros, como pessoas de minha maior convivência, na mesa do jantar, ou mesmo almoço.

Quero desejar agora;

Da minha família para a sua família, um FELIZ NATAL.

FELIZ ANO NOVO.

Que a paz do Natal se multiplique no ano que se inicia.

Obrigada por fazerem parte da minha vida.

DEUS os abençoe.

FIQUEM COM DEUS.

pinguim disse...

Eu também fui professor e nesse tempo, tinha sim uma reconfortante recompensa diária.
Hoje, se continuasse a ser professor, já tinha sido expulso da docência, com um processo disciplinar agravado, pois nunca pactuei com a indisciplina.

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Há muito que ser professor passou a ser um obrigatório trabalho polivalente de pai e mãe, psicólogo, confidente, educador, e improvisado tapa-buracos de toda uma falha educativa que devia começar em casa. A gratificação pelo acto de leccionar, supostamente aliada à vocação do ensino, passou a ser um encargo administrativo onde o professor está sempre muito mais ausente do que todos os outros papéis que tem de assumir.

FRuto dos tempos? Ou fruto da lassidão dos pais que encorajam nos filhos a selvajaria do vazio e, com ela, todas as lacunas na formaçao da personalidade?

Nao deseperemos. Penso que um professor nao pode deixar de o ser nem abater-se ante a degradação moral do sistema, sob pena de um dia serem mesmo engolidos (mais do que ja se é) na voragem de um mundo onde os pais sao a mior parte das vezes os únicos responsaveis...

。♥ Smareis ♥。 disse...

Uma profissão linda, uma arte pra ser admirada. Pra mim uma das mais valiosa profissão. Minha família tem vários e sei como eles dão duro.
Parabéns pelo texto maravilhoso.
Desejo uma ótima semana pra ti!
Ja deixo meu desejo de um Feliz Natal e um Ano recheado de sonhos e desejos realizados. Obrigada por ter caminhado comigo durante esse Ano, e que no próximo Ano estejamos juntos novamente... Beijos grande!

GRAÇA disse...

Venho desejar um Natal Feliz e com muitas prendas na patinha e que o Ano Novo nos traga muita saúde e muita amizade
Turrinhas da amiguinha
Kika
Gostei muito deste texto
A mami manda beijinhos

CLEMENTE GERMANO MULLER disse...

Oi minha querida amiga Rosa. Obrigado. Eu já te falei que também sou professor mas nunca lecionei, preferi ser bancário da CEF durante 28 anos e meio. Quem sabe num futuro não seja professor por vocação? Um grande beijo. FIQUE COM DEUS. Tenha uma ótima semana.

Luís Coelho disse...

Diria simplesmente que o professor é um saco de pancada ou até mesmo o saco de box.
Está lá, dá tudo e recebe socos de todos os lados.
O tempo e a coragem forjaram o seu sorriso e lá vão lutando.
Os resultados vão ficando e ainda que apenas alguns os reconheçam e os admirem, para o professor já é o bastante para continuar.

Desejo-lhe a si e aos seus um Santo Natal e um feliz Ano Novo.
Que para todos sem exclusão traga muita Paz e Amor, Concórdia, Saúde e Pão.