Memorial

Companheiros de Pensamentos

domingo, 23 de maio de 2010

Pintassilgo



Meu marido, quando miúdo/adolescente gostava de ir aos ninhos, apanhar passarinhos para colocar em gaiolas.
Confesso que já tive passarinhos (já nascidos em cativeiro) em gaiolas mas, conforme fui crescendo, passei a apreciar mais os pássaros, e aves no geral, em liberdade (como as “minhas” andorinhas que regressam a cada Primavera).
Hoje, quando chegámos em casa, de um pequeno passeio, o nosso Tejo recebeu-nos com um ladrar diferente.
Sempre que passamos o portão da entrada (e depois de fechá-lo), os nossos cães correm sempre ao nosso encontro para as boas-vindas do costume. Mas, hoje, o Tejo passou por nós e correu directo para o portão, tentando mordê-lo.
Fui ver com atenção e lá estava um filhote de pintassilgo, agarrado ao portão. Felizmente, do lado de fora.
Afastei logo o Tejo e chamei o meu marido pois o passarito, que ainda não conseguia voar, dirigia-se para o meio da rua, assustado, tendo os pais a tentar protegê-lo.
Meu marido identificou logo que era um pintassilgo, foi logo pegá-lo, com os pais a voar em redor dele.
Por uma fracção de segundo, pensei, com tristeza, que ele ia trazê-lo para casa… Ele gostava muito de criar passarinhos…
O meu marido começou a observar as árvores e, quando encontrou o ninho, colocou o filhote nessa árvore. Os pais foram pousar no nosso telhado, a cantar.
Fiquei preocupada. Será que eles vão abandonar o filho? Tivemos que voltar a sair de casa e, quando regressámos, meu marido foi até à árvore e veio com a boa notícia: eles estavam a alimentar o filhote!

Uma vez perguntei ao meu marido porque não dizia mais vezes “eu te amo”.
Ele respondeu-me que preferia “mostrar” que me amava.
Agradeço a Deus, todo os dias, pelo marido que me destinou.
Um marido que, até pode ser de poucas palavras românticas, mas, sem dúvida, tem me “ofertado” muitos gestos de amor.
E este, foi mais um.
Noutros tempos, com certeza que o traria para casa e o colocaria numa gaiola. Hoje partilhou comigo a preocupação de colocar o filhote em segurança, junto à sua família. Sem hesitar. Com carinho. Com vontade. Com Amor.

Algumas (pequenas) notas sobre esta situação:
- Ainda bem que o filhote caiu da árvore, para o lado de fora do quintal… fora do alcance do Tejo…
- Será que os pais do “nosso” pintassilgo, depois do susto de pensarem que iam ficar sem o filho e vendo que ele estava a salvo, vieram agradecer-nos com o seu cantar, antes de irem ter com ele?

18 comentários:

Sônia Silvino disse...

Emocionante, Aninha!
Linda história e com um final feliz! Que bom!
Bjkas!!!

Dora Regina disse...

Obrigada por partilhar uma experiência tão bonita.
Venho agradecer sua carinhosa visita em meu blog desejando um maravilhoso fim de semana!
Um abraço!

Carlos Albuquerque disse...

São estas manifestações de ternura pelos animais, nascida do amor e respeito que se tem pela mulher, que ainda me fazem acreditar que nem tudo está perdido entre a espécie humana!
Bom Domingo!

Laura disse...

Ola, há coisa de um ano um desses passaritos que acampam nas árvores em frente das minhas janelas, entrou de rompante na minha sala, só tive tempo de ver o meu shaka, a correr para o apanhar, xi, corri, o dito passarito meteu-se no canto de um móvel onde o shaka de grande porte, não entrava, tirei-o de lá, ele fugiu voou correu a sala a voar e bateu em cheio na porta de vidro da sala, fechada...tadinho, ficou meio zonzo, quase morto, levei-o para o quarto, pu-lo em banhos de água fresquinha para o reanimar e claro, rezei sim ajoelhada com ele em cima do meu edredon fazendo ninho pondo-o ao meu peito...estava quase morto, pelo menos parecia... ah, de repente ganhou vida, foi como uma lufada de vida, ergueu-se e voou para a porta do quarto onde o shaka do lado de fora tentava entrar...
Fui á varanda, vi s ehavia gatos por ali e, atirei-o para cima d euma árvore, voou voou e aterrou na relva, preocupada estive d eguarda lá em baixo a ver, os pais ou amigos aproximaram-se, ficaram ao redor dele ainda meio zonzo... e dali a nada voou para cima da árvore, ah que bom que foi saber que ele se salvou..
Felicidade junto de seu marido, não é algo que todo mundo tenha, garanto que não...
Beijinho d alaura

Maria disse...

Adorei o seu cantinho e vou seguir com muito prazer.
O amor é o sentimento mais dobre, lindo e mágico que existe e o seu e do seu marido é simplesmente maravilhoso.

"Amar não é olhar um para o outro, é olhar juntos na mesma direcção."
Antoine de Saint-Exupéry

Bjs do tamanho do infinito
Maria

Ricardo Calmon disse...

Bela mensagem ao amor de vida sua,caríssima Carioca Rosa,que domingo esse,em harmonias,a vida curta casal esse!

bzu no cuore!

Viva La Vida!

Rutha/Pink/Barum/Luna disse...

Que belo blog ! Parabéns pelo texto ! Meu marido também apanhava passarinhos para colocá-los em gaiolas. Apesar de ser contra aceitei ter 1 canário engaiolado que viveu 16 anos conosco ! Depois dele nunca mais.
O meu também quase não diz que me ama, mas faz pequenos gestos que dizem tudo...
Espero que a família pintassilgo continue a cantar pra vocês !
Beijos

Laís

Rutha/Pink/Barum/Luna disse...

Voltei ! Dei uma passeada melhor pelo seu blog e chorei um bocado ! Seus textos são sempre emocionantes independente do contúdo. O Kibon e o Tejo devem ser cães muito felizes por ter uma família destas !
Beijos
Laís

Rosa Carioca disse...

Sonia, grande beijinho.
Dora, não tem nada que agradecer. É um prazer.
Carlos, pode crer! Boa semana.
Laura, que peripécias! O que a gente faz por estes bichinhos!
Maria, adorei seus blogs.
Ricardo, muito obrigada.

Rosa Carioca disse...

Laís, obrigada pela dupla visita. Fico feliz por ter gostado. Sim, acho que os nossos canitos são felizes, porém, não tenho a menor dúvida de como nos fazem felizes.

Fê-blue bird disse...

Consegue em todas as suas palavras mostrar o amor lindo que a une ao seu companheiro de vida.
É sempre com prazer que venho aqui.
Um beijinho grande

O Profeta disse...

Hoje perdi-me na cidade do pensamento
A vida correu-me na frente em corro-pio
Hoje um pássaro descobriu o voar
Hoje senti na emoção a força de um rio

Segui para nascente fugindo à noite
Inventei um cavalo branco voador
Despi-me da obrigação de ser outro
Afastei da viagem a sombra do desamor


Doce beijo

Rosa Carioca disse...

Fê, gostei da definição: "companheiro de vida". Que assim seja.
Profeta, que belo presente. Obrigada.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

caminhante disse...

que ternurento... ainda bem que o tejo não lhe deu um beijinho!

biquinhos de pintassilgo na pontinha do nariz :)

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Que gesto nobre, Rosa. Nem todo mundo tem essa consciência ecológica.

Espero não perder contato, viu?

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

legalmente loira... disse...

rosa,
que coisa mais linda!
são momentos assim que tornam a vida espetacular.
que linda lição de amor em dois sentidos.
otima semana com carinho e bjos.

Pepi disse...

Bonita história,Ana!
Passamos para deixar
Bjkas,Lambs e Ronrons
Ah...Tem surpresa no "nosso blog"
Vê se gosta...
Verena,Pepi e Xixo