Memorial

Companheiros de Pensamentos

sábado, 8 de novembro de 2014

COOKIE e BONECA


Hoje resolvi olhar fotos antigas.
Talvez por estar a aproximar-se a altura de que muitas pessoas dão cachorrinhos de presente, como se fossem um brinquedinho engraçado que os filhos fartam-se de pedir, detive-me em duas fotos.
A 1.ª é do Cookie, o meu primeiro cão, que foi-me oferecido quando eu nasci. É verdade; quando cheguei da maternidade, já lá estava.
Minha mãe sentou-se numa poltrona, chamou o Cookie e o Pimpão (na altura, já com os seus 11 aninhos), descobriu os meus pés e deixou que os dois “peludos” cheirassem, lambessem…
Ela contava esta história e dizia que a minha reação foi sorrir muito.
E assim, desde que me conheço por gente, sempre tive a companhia de um ou dois canitos. E também foi assim que, desde tenra idade, fui educada a cuidar, respeitar e procurar entender o cão. Meu pai até dizia: “o cão tem sempre razão”.
Não interessava a raça. Interessava aquele ser vivo que merecia toda a nossa atenção e responsabilidade.
Em certa altura, tivemos que ausentar-nos por cinco anos e o Cookie (o Pimpão já tinha falecido) ficou com familiares próximos, na mesma casa onde vivíamos. Quando retornámos, o Cookie já estava completamente cego, já tinha 13 aninhos; porém reconheceu cada um de nós, e sua alegria foi dobrada quando reencontrou minha mãe. Inesquecível!

A 2.ª foto é da Boneca.
A Boneca estava numa gaiola de uma loja de animais e impressionou-me porque, ao contrário do que costumamos ver com outros filhotinhos, essa coisinha minúscula mordia, raivosamente, a gaiola.
Perguntei ao dono da loja qual seria o preço dela (na esperança de estar além das minhas posses e conformar-me em não poder levá-la). Porém, ele respondeu que se eu sorrisse, dava-me de presente. Apesar de, na altura, ter uns 15 anos, conclui que aquele filhote devia ter algum defeito; ao que o dono esclareceu porque estava a oferecê-lo: não tinha raça e era fêmea. Imediatamente, olhei para a minha mãe e… lá trouxemos a Boneca.
A Boneca viveu quase 19 anos.
Quando alguém quer levar para casa um filhotinho fofinho, pequenino, engraçadinho, tem que ter plena consciência de tudo o que está em jogo. Está em jogo um bichinho que vai crescer, vai fazer asneiras, vai precisar de cuidados, principalmente, quando atinge a sua velhice.
A Boneca acabou por ficar cega, surda, com artrite (que dificultava muito a sua locomoção), teve que passar por duas cirurgias; mas sempre mereceu todo o nosso respeito, cuidado e muito, muito miminho.

Cão não é brinquedo!


18 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Olá,querida Rosa
É verdade!!! Animal de um modo em geral precisa de cuidados e carinho; não é brinquedo mesmo...
Tive alguns e, como vc, me apeguei e deixaram saudade...
Bjm fraterno

✿ chica disse...

Que lindas fotos e recordações! Os bichinhos são parte de nossas vidas! bjs, chica

Fê blue bird disse...

Duas histórias lindas e comoventes de amor e respeito pelos animais.
Diz bem minha amiga, cão não é brinquedo !

Bom fim de semana

beijinho

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Rositamiga

Só fotos, só fotos, só fotos (aliás bonitas); e na Travessa não dizes nada?????

Qjs

Zilani Célia disse...

OI ROSA!
ME FIZESTE LEMBRAR QUE QUANDO NASCEU MINHA PRIMEIRA FILHA, UMA VIZINHA DEU A ELA UM FILHOTINHO DE PEQUENEZ, UMA FÊMEA A "GINA" QUE VIVEU CONOSCO ATÉ OS 16 ANOS, SÓ QUE A PARTIR DAÍ, NUNCA MAIS FICAMOS SEM TER UM ANIMALZINHO CONOSCO E TODAS, FÊMEAS E COM VIDA LONGA E MUITO AMADAS.
AGORA TEMOS A "CANDY" E ESPERO QUE POR MUITO TEMPO.
BELO POST AMIGA E TENS TODA A RAZÃO, É UM SER VIVO E QUE DÁ TANTO AMOR QUE O MÍNIMO QUE TEMOS DE FAZER É DEVOLVER A ELES EM FORMA DE CUIDADOS E CARINHO.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Os animais são nossos amigos mas os cães e os gatos são aqueles que mais se aproximam do homem.
Ambos nos reconhecem.Os cães desculpam-nos mas os gatos não são fáceis de voltar a ser amigos.
Se não forem diariamente mimados ausentam-se oi tornam-se agressivos.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Há nestes bichinhos
um tipo de amor
e fidelidade
que gostaríamos
de ver nos seres humanos...

____________________________________

Fotografe a alegria e a revele
na máquina digital do seu coração...

João Roque disse...

Quem diz cão, diz gato.
Não concebo a minha vida sem gatos e de certa forma fazem parte da minha "família"...

Helena Medeiros Helena disse...

Gosto destas postagens onde um animalzinho é o centro das atenções. Também aprendi a respeitar, amar e cuidar dos "bichinhos de Deus" como minha mãe os chamava, pois ela sempre os tinha em casa, entre cães e gatos que se harmonizavam perfeitamente dentro de uma convivência que muito ensinava aos humanos. E quando ela se foi, como não tínhamos em casa quem deles cuidasse, e eu fui fazer uma especialização fora do país, os bichinhos foram para a casa de familiares e amigos que sabíamos iriam olhar por eles com o mesmo amor e carinho.
Estes teus gestos de afeto pelos cães me sensibilizam muito. Considero que quem os ama tanto assim são pessoas iluminadas que possuem um coração do tamanho do mundo, para neles caber os homens e os "bichinhos de Deus"
Que tua semana seja linda, inundada de sorrisos e estrelas.
Helena

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Se me permite, assino este post por baixo.
Também aprendia lidar com cães desde que me conheço, pelo que estas histórias me comoveram e fizeram recordar outras vividas com animais meus amigos.
Infelizmente, a lei de protecção dos animais domésticos nao previu a necessidade de um certificado de idoneidade para quem quiser comprar ou adoptar um cão. Talvez fosse, realmente, pedir demais. Ao fim e ao cabo há por aí tantos pais que não têm idoneidade para serem pais e trazem-nos ao mundo e educam-nos de forma tão inconsciente...

São disse...

Tive uma galinha de estimação quando tinha seis anos e muitissimo mais tarde uma cadela dálmata, oficialmente de meu filho.

Adoro felinos desde sempre.

Embora não ache que os animais tenham os mesmos direitos do que os seres humanos , sou contra maus tratos e espectáculos onde são utilizados já amestrados.

Boa semana, Rosinha

Pepi,Xixo,Juja,Jujuba disse...

Estes "bichinhos" são mesmo um amor, né?
Obrigada pela gentil visitinha, querida
Te desejo uma semana feliz!
Beijão de
Verena e Bichinhos

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, muitas pessoas gostam muito dos animais quando são pequenos, depois abandona-os sem dó nem piedade, simplesmente não querem saber do sofrimento que causam a um ser vivo amigo com sentimentos.
AG

Nilson Barcelli disse...

Nasci "no meio dos cães" e, por isso, percebo a ternura com que fizeste este texto.
Boa semana, querida amiga Rosa.
Beijo.

Smareis disse...

Me fez lembrar de meu cãozinho que viveu 17 anos. As pessoas esquecem quando adotam ou compra um animal, que eles sente dores, fome, fica doente e precisa de cuidados e carinho. Minha irmã tem uma ONG, é triste ver como as pessoa deixam os cãozinho abandonados. Todos dias a ONG recolhe vários que os donos abandonam nas ruas por estar doentes ou por estar velhos. Triste isso!
Muito bom sua postagem!
As fotos tá linda.
Tenho um Yokshire que faz parte da família, viaja comigo pra onde eu for. É um grande amigo. Tem 6 anos.

Beijos!

Maria Alice Cerqueira disse...

Querida amiga venho por meio deste, pedir desculpas pelo cola e copia, e também pelo meu silencio, mas tem sido por conta de colocar a vida em ordem.. rsrs..
Hoje Trago uma boa noticia, está chegando o dia do lançamento do meu livro. Uma Menina Chamada Esperança.
Se puder compartilhe com seus amigos esta postagem, levando a conhecimento de todos, a existência de Uma Menina Uma Menina Chamada Esperança.
https://www.facebook.com/UmaMeninaChamadaEsperanca
Ajude a manter viva a esperança da realização do sonho de cada criança, mesmo que esteja adormecida dentro de um corpo adulto!
Obrigado! Que Deus abençoe você!
Mais detalhes veja no link abaixo!
https://www.facebook.com/events/991866294164214/?pnref=lhc.recent
Venha conhecer esta linda Menina Chamada Esperança, que ao decorrer seu caminho traz a luz da esperança para todos nós!
Obrigada de coração pelo carinho recebido pela sua amável presença, neste meu cantinho
Que Deus abençoe você sempre e sempre...
Abraço amigo!
Maria Alice

Majo disse...

~
~ ~ Aprecio muito a companhia sempre solícita e amiga de cães que, se pudessem, ofereciam-nos a sua devotada companhia e proteção, acompanhando-nos a todo o lado...

~ ~ Gostei muito do que escreveu, Ana Paula, a Rosa Carioca. ~ ~

Mary Brown disse...

Rosa li este teu post de lágrimas nos olhos. Porquê? Porque a morte de um animal de estimação é uma dor sem fim, assim como qualquer problema de saúde. Também porque tocaste num ponto muito importante: Um animal não é um brinquedo, tem que ser amado, respeitado e cuidado como se de ser humano se trata-se, ele sofre, tanto ou mais que nós. Um animal, tal como um ser humano, tem personalidade e merece que nos dediquemos a eles completamente, como ele se dedica a nós. Beijinhos