Memorial

Companheiros de Pensamentos

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

COPAN

Via uma reportagem sobre o edifício COPAN (Companhia Pan-Americana de Hotéis) na televisão e fui transportada para essa grande e complexa cidade: São Paulo.
Conheci essa grande metrópole pelas mãos de meu pai, em 1977. Algo deixava – me muito intrigada, o fato de meu pai amar essa cidade, logo ele que fugia do stress, das aglomerações… Quando perguntava-lhe como conseguia gostar daquela confusão, ele, simplesmente, respondia:
- Não é confusão. É movimento organizado!
Passados uns anos, mais precisamente em 1993, trabalhei nessa metrópole durante 6 meses e constatei que era mesmo um movimento organizado. Aliás, tinha que ser… com a população existente!
Foram seis meses de muito cansaço, stress, “garoa” mas de uma maravilhosa experiência.
Conheci pessoas fantásticas!
Estava “cedida” pela COSIPA ao Ministério de Infra-Estrutura (não sei se ainda tem o mesmo nome), desempenhando as funções de secretária (eu… que trabalhava num laboratório de análises clínicas…). Porém, tive a sorte de encontrar Grandes Profissionais: excelentes chefes, maravilhosos colegas. Aprendi imenso!
A par da experiência profissional, ao circular pelas suas avenidas, ruas, admirava aquele mundo:
- suas imensas vias;
- seu trânsito enérgico;
- seus edifícios que “arranhavam” os céus;
- o bairro da Liberdade;
- o parque do Ibirapuera; e, claro,
- o COPAN.
Este edifício destacava-se e alimentava minha imaginação. Tantas vidas num mesmo lugar, tantas pessoas tão próximas e tão distantes!

Apesar de entender que uma cidade como São Paulo é um centro de inúmeras experiências, oportunidades, culturas, artes, comunidades… enfim… prefiro a calma e a amplitude de uma paisagem alentejana!


(Para conhecer um pouco mais desse grandioso COPAN,
pode visitá-lo aqui.)

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Abandono


Ao procurar casa, a selecção começava por saber, PRIMEIRO, se havia espaço suficiente e de qualidade, para o cão.

Férias? Acabaram! Ou se resumem a um fim de semana.

Quando tive uma cadela, nunca quis que tivesse filhotes, pois não teriam coragem de vê-los partir para outros tutores (muito menos, vendê-los).
A Boneca viveu 19 anos e nos seus últimos anos já estava cega, surda, com artrite, sofreu duas intervenções cirúrgicas e morreu de velhice.

Kibon veio para casa com a “certeza” que não passaria do tamanho mini e de 2 kilos. Hoje tem 13 anos e meio, pesa 12 kilos, tem insuficiência real e o tamanho… bem… não é nada mini.

Xixi no tapete???? SÓ no tapete????

E com respeito ao Tejo… bem… ele daria todos os motivos para que qualquer DES-humano o “despachasse”, mas… enfim… para se ter um animal deve-se pensar, primeiro, se se quer mesmo que a FAMÍLIA aumente.
Ah, pois! O animal passa a fazer parte do agregado familiar!

E o Tejo veio trazer muita alegria ao meu agregado familiar!


sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Sem PIO!!!!

É preciso ser visitada, outra vez, pela laringite/faringite para vir andar por estas bandas!
Mais uma vez, sem PIO. Isto, para a minha profissão, é um caos. Lá estou, novamente, a antibiótico!
Bem, por estas dias, vou aparecer mais!