Memorial

Companheiros de Pensamentos

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Um Adolescente Especial

No dia das mães, do ano passado, escrevi numa rede social o seguinte estado:

"É sempre o pior dia do ano...
Mãe devia ser imortal...
Filhos não deviam morrer antes da mãe..."

E, nessa mesma rede social, nesse momento, uma mãe de um ex-aluno partilhou-me o seguinte:


Hoje no caminho da escola para casa, deu-se o seguinte diálogo:
Filho: Mãe viste a publicação da professora?
Eu: Qual publicação? (já imaginando que fosse sua...)
Filho: Uma em que ela escreve que os filhos não deviam morrer antes dos pais...
Eu: Sim, essa vi.
Filho: Fiquei a pensar porque terá ela escrito aquilo.
Eu: Porque foi no domingo o dia da Mãe e a Professora deve ter pensado que nem ela nem os seus filhos não tiveram a oportunidade de celebrar juntos este dia.
Filho: Ah pois, deve ter sido por isso... Coitada, deve ter ficado tão triste... Quando é o dia da Mãe para o ano?
Eu: Acho que é sempre no primeiro domingo do mês de Maio, porquê?
Filho: Porque para o ano quero dar-lhe um miminho nesse dia. Importas-te Mãe?
Eu: Não (Respondo já de nó na garganta)
Filho: Não é que a professora seja para mim como tu és, mas ela esteve sempre ao meu lado em alturas muito difíceis da minha vida, por isso acho que devo estar ao seu lado em datas como esta, que são especialmente difíceis para ela. Se eu a fizer sentir um bocadinho menos triste no próximo dia da Mãe, já fico muito contente por mim e por ela! O que achas Mãe?
Eu: Acho que fazes bem. (Respondi com dificuldade, mas cheia de orgulho do filho que tenho.)
Provavelmente para o ano vai-se esquecer do que hoje planeou, mas fique com a intenção e sincera vontade de a ver um bocadinho menos triste nesse dia...

Hoje, 5 de maio de 2014, a telefonista da escola liga para a minha sala e diz que tenho uma "visita". Já sei que quando dizem isso, estão a referir-se a algum ex-aluno. Por antecipação, fico logo muito feliz com essas visitas.
Era mesmo um ex-aluno, o Alexandre.
Lá vem ele com seu sorriso e diz-me: "Olá, professora, trouxe-te um miminho. É por causa daquilo que escreveste."
Agradeci imenso, mas não perguntei a que ele se referia, pois (conhecendo-o como o conheço) deduzi que talvez não conseguisse controlar aquelas gotas que, às vezes, pulam dos olhos. Mas tive a impressão que talvez tivesse a ver com o dia das mães.
Quando cheguei em casa, a sua mãe contactou-me, através da mesma rede social, e relembrou-me o texto que transcrevi acima. Sinceramente, já não me lembrava mas

ELE NÃO ESQUECEU!


Como li algures: os filhos são o reflexo dos pais.

É uma enorme felicidade ter a oportunidade de conhecer "pessoas tão especiais".