Memorial

Companheiros de Pensamentos

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

ESPERANÇA



2012 não foi um dos melhores anos;
porém, também não foi dos piores.
Desta vez, não vou fazer "balanço".
Conseguimos "viver" e espero continuar
a "viver" com o mesmo espírito:
ESPERANÇA!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

sábado, 22 de dezembro de 2012

Boas Festas

DESEJO A TODOS OS QUE PASSAM POR ESTE MEU CANTINHO, UM FELIZ NATAL E QUE 2013 TRAGA MAIS BOAS NOTÍCIAS, SAÚDE (SEMPRE) E TRABALHO/EMPREGO.
 
E MUITO OBRIGADA PELA VOSSA PRESENÇA, PELAS PALAVRAS SEMPRE AMÁVEIS!
 
A "rena" Tejo e o "pai natal" Kibon também desejam aos seus amigos (cães e gatos) uma vida tranquila e carinhosa.
 

sábado, 15 de dezembro de 2012

Sementes

O texto sobre Natal que postei há uns dias foi uma das muitas lições que aprendi com meus pais.
No exercício da minha profissão, preocupo-me em lançar algumas sementes, principalmente no que diz respeito a certos valores.
Na última semana de aulas, pedi aos meus alunos que fizessem um desenho sobre o tema NATAL.
Num dos desenhos, encontrei o seguinte:
"O NATAL NÃO SÃO AS PRENDAS,
MAS SIM A HARMONIA,
A ALEGRIA, A FELICIDADE,
O AMOR, A PAZ,
A FAMÍLIA REUNIDA…"

 

sábado, 8 de dezembro de 2012

Contos de 250 palavras

Margarida resolveu oferecer, nesta época natalina, um presente muito valioso: um conto!
Pediu cinco palavras e, a partir daí, "montou", "confeccionou" e "embrulhou" carinhosamente cada presente.
Aconselho, vivamente, que conheçam esses contos tão lindos no blog mas tu és tudo e tivesse eu casa tu passarias à minha porta.
É claro que sou suspeita mas... AMEI O MEU PRESENTE, intitulado Depois da primeira queda, já .

E já agora, e porque também tem algo a ver, aí vai uma foto do aniversariante de hoje: o Tejo; ele faz 7 aninhos mas nós é que temos o privilégio de conviver com este meigo e grande PRESENTE.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Um Marco na Arquitetura

"A gente tem que sonhar,
senão as coisas não acontecem."
 
Oscar Niemeyer

domingo, 2 de dezembro de 2012

Natal

- Pai! Mãe! O que é que eu vou receber de presente no Natal? – pergunta a menina de 7 anos, ao entrar saltitando pela sala.
O pai pousa o jornal de domingo e olha para a mãe que tricotava uma camisola para ele.
A mãe retribui o olhar com um sorriso e continua a tricotar, pois já sabia o que viria a seguir; afinal, eram um daqueles casais que conversava com o olhar.
- Presentes? Por quê? – provoca o pai.
- Ora, pai, porque estamos quase no Natal.
- Sim, eu sei que dentro de poucas semanas comemoramos o Natal; mas não sei porque tens que receber presentes no Natal. Diz-me lá: o que é o Natal?
A menininha aconchega-se perto do pai. Olha-o, muito séria, e responde com toda a segurança:
- É o nascimento do Menino Jesus!
- Muito bem, filha! Quer dizer que, no Natal, ao lembrarmos do seu nascimento, estamos, de certa forma, a comemorar o seu aniversário. Concordas?
- Concordo!
- Então, diz-me lá, filha: se comemoramos o nascimento do Menino Jesus, quem é que deve receber presentes?
A menina olha para o pai, observa a mãe, e indecisa, responde:
- O Menino Jesus?
- Acertaste mais uma vez. – diz o pai, sorridente.
- Mas não se pode dar presentes ao Menino Jesus! – reclama a menina, endireitando o seu pequeno corpo.
- Ah, pode-se, pode-se! – interveio a mãe sem tirar o olhar da suas agulhas.
- Como? – questiona a menininha, já bastante confusa – Vocês estão a brincar comigo, não é?
A mãe pousa o seu tricot e com a sua voz calma, esclarece:
- Não, filha, não estamos a brincar. O Menino Jesus gosta muito de receber, de todos nós, como presentes, as nossas boas atitudes, os nossos bons pensamentos…
- O teu bom comportamento. – acrescenta o pai.
- É verdade, filha. – continua a mãe. – Sempre que ajudamos alguém, sempre que trocamos os maus pensamentos por bons, sempre que cuidamos dos animais, sempre que és respeitadora com os professores, sempre que és educada; não só nos deixas muito felizes, como também está a presentear o Menino Jesus.
- E há mais um pequeno detalhe! – intervém o pai – Tu gostas muito do Natal, não é?
- Muito! Adoro! Acho que o Natal tem magia! – diz a menina aos pulos pela sala.
- Exatamente! Podes prolongar essa magia por todo o ano!
A menina, subitamente, pára e sorri ao olhar para seus pais, pois uma ideia iluminou a sua cabecinha:
- Se eu der esses presentes durante todo o ano, vou viver o Natal todos os dias! – ela prepara-se para retomar os seus pulinhos, porém aproxima-se de seus pais com uma grande dúvida. – Mas eu lembro que no Natal passado, recebi um presente. Foi um livro da Anita…
- É verdade, mas também recebeste um livro no mês passado, não foi? – relembra a mãe.
- Foi, até estava embrulhado com um lindo papel e tinha um laço vermelho (eu guardei)!
- Vês? – disse o pai, sorrindo – Não é preciso ser Natal para fazer os outros felizes! E sempre que fazemos os outros felizes, também sentimos felicidade.
- Já volto! – e a menininha dirige-se para a porta de casa.
- Mas aonde vais? – pergunta a mãe.
- Vou viver a magia do Natal. A filha da vizinha está triste porque o pai trabalha muito longe. Vou levar a minha boneca para brincar com ela, assim ela fica feliz e eu também.
Os pais entreolham-se, sorridentes. Tinham conseguido realçar o verdadeiro espírito de Natal.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Presépio

 
Com direito a vaca, burro e cães!
 
 
Os guardas dos Reis Magos com seus camelos.
 




A minha ovelhinha preferida, desde criança; só porque é a única que tem o filhote.

 E a traquinice também está presente!
Dois "gêmeos" e um "quase". Coincidência ou premonição???

 
Um presépio "construído" de 1950 a 1960.
 
A todos os que passam por aqui,
FELIZ NATAL,
TODO O DIA!